Empresas

Como gerenciar o fluxo de caixa da sua empresa com eficiência

Escrito por Nexoos

Não há como gerenciar aquilo que não se conhece. Esta é a regra básica de toda e qualquer empresa, independente do seu porte e segmento. Se as finanças não estão apresentando resultados satisfatórios e se isto se mantém durante um longo período, brevemente o empreendedor estará sentindo na pele os efeitos de uma má gestão do seu fluxo de caixa, que pode levar a empresa a interromper seu funcionamento – e nenhum empresário deseja seu próprio fracasso, não é mesmo?

O fluxo de caixa é, sem dúvida, o instrumento de controle financeiro mais importante de uma empresa, ou seja, toda e qualquer movimentação do dinheiro que entra e do dinheiro que sai do negócio devem ser detalhadas no fluxo de caixa. É através dele que é possível saber o quanto de recursos financeiros a empresa tem disponível, contas a pagar, contas a receber, prazos, enfim, o exercício do fluxo de caixa oferece ao gestor todas as informações financeiras necessárias para manter as contas em dia e melhor, um negócio saudável.

Mas como gerenciar um fluxo de caixa da sua empresa de forma eficiente sem cair nas armadilhas da falta de organização e controle? Separamos para você práticas ideais de como fazer um fluxo de caixa. Quer saber quais são? Acompanhe nosso post e comece ainda hoje!

Registre todas as informações e mantenha-as atualizadas

O fluxo de caixa funciona como um espelho das suas finanças. Gestores que não conhecem as movimentações diárias ou mesmo não registram as entradas e saídas, ficam impossibilitados de saber o presente e o futuro dos negócios.

Toda e qualquer movimentação financeira deve ser registrada. O grande erro de muitos gestores é acreditarem que apenas altos valores devem compor o Fluxo de Caixa, o que é um grande equívoco. Não importa o valor e o motivo da retirada de caixa, tudo deve ser registrado. 

Determine um período de análise para seu fluxo de caixa

Não existe uma “receita” ideal para qual o melhor período de análise de um fluxo de caixa. Via de regra ele pode ser diário, semanal ou mesmo mensal, o importante é que as informações sejam constantemente atualizadas e o fluxo de caixa alimentado com todas as movimentações financeiras efetuadas.

Saber analisar as informações e interpretar os dados possibilita que o gestor saiba quais os melhores prazos para seu negócio, de forma que o ciclo operacional não seja comprometido. Ou seja, prazos de recebimento muito longos podem comprometer o capital de giro, uma vez que a empresa pode não contar com recursos para honrar os compromissos com fornecedores, o que pode levar a recorrer a antecipações, que não é uma boa ideia.

Identifique as entradas e despesas

A identificação visual das contas que são receitas e das contas que são despesas, seja por cores ou mesmo um sinal de subtração em frente aos valores de saídas, podem ser de grande valia na hora de avaliar e identificar cada conta no fluxo de caixa.

A identificação não segue um padrão e cada gestor pode definir da forma que achar conveniente, o importante é que possam ser facilmente diferenciadas as saídas das entradas.

Categorize as contas

Categorize as receitas e as despesas. Ou seja, registre cada uma separadamente, discriminando a origem das entradas e o destino das saídas.

No registro das entradas discrimine as formas de recebimento, ou seja, se foi a dinheiro, cheque pré-datado, cartão de crédito, promissórias, entre outras. Nas despesas registre itens como comissões de vendedores, conta de luz, água e telefone, fornecedores, salários, comissões, enfim, todas as informações que permitem controlar cada gasto e saber exatamente de onde vieram.

É fundamental que além da categorização também estejam inclusas informações sobre prazos e outras informações que possam identificar cada item movimentado, de forma a saber quanto, quando, como e de onde veio cada conta.

Precisa de capital de giro?

Se você identificou um problema no fluxo de caixa e já é tarde demais para as soluções acima? Acalme-se, temos uma solução…

Com um fluxo de caixa em mãos é possível saber se há a necessidade de recorrer a outras formas de financiamento das atividades – como por exemplo empréstimo para capital de giro. Se esse for o seu caso, além das opções tradicionais não deixe de conferir a Nexoos, uma nova opção que oferece empréstimo para capital de giro com taxas de juros menores.

Gostou do nosso post? Quer saber mais detalhes ou ficou com alguma dúvida? Entre em contato conosco deixando seu comentário nos campos abaixo!

Sobre o autor

Nexoos

Deixar comentário.

Share This