Descubra o que levar em conta na hora de fazer um investimento!

Assim como tudo na vida, investir seu dinheiro demanda fazer boas escolhas. Não se trata de algo complexo, destinado apenas a analistas financeiros e economistas. Entretanto, para fazer um investimento é necessário ter em mente algumas premissas básicas para não cometer erros que impactem seus objetivos financeiros.

Por isso, para o post de hoje separamos alguns aspectos que o investidor leva em conta na hora de aplicar seu dinheiro. Confira!

Metas para o dinheiro investido

Investidores geralmente não poupam dinheiro e investem apenas para acumular, mas fazem isso estabelecendo objetivos concretos, sejam eles a independência financeira, a compra de um imóvel, a aposentadoria ou quaisquer outros.

Por isso, antes de começar a investir, o poupador deve ter diante si, de forma bem clara, qual é o seu objetivo, o prazo no qual pretende alcançá-lo e o valor disponível para ser poupado. Estabelecer metas de curto, médio e longo prazo ajudará na definição da escolha do produto financeiro mais adequado para cada propósito, além de servir de estímulo para que o investidor não desista no “meio do caminho”.

Rentabilidade e risco do investimento

Definidas as metas, o prazo e o valor disponível, o próximo passo é buscar os investimentos mais rentáveis. Perceba que a rentabilidade está atrelada ao prazo que o investidor levará para atingir seus objetivos. Quanto mais rentáveis forem os investimentos, menor será o tempo de espera.

Mas a rentabilidade também está intimamente ligada ao risco e nesse ponto o investidor precisa ter muita atenção: a rentabilidade do investimento pode não compensar o risco de perda. Se você, por exemplo, é um pequeno investidor, mais vale para você assegurar pequenos ganhos constantes sem risco de perdas, do que rentabilidades extraordinárias que coloquem em risco seu patrimônio.

Liquidez do investimento

Chamamos de liquidez a velocidade em que o investidor pode transformar um ativo financeiro em dinheiro vivo, ou seja, o quão rápido é possível resgatar o dinheiro investido. Em regra, quanto menor a liquidez melhor a rentabilidade e vice-versa.

De nada adianta ao investidor escolher um título altamente rentável, porém de baixa liquidez, cujo vencimento ocorra para daqui a 30 anos, se ele pretende investir para comprar um automóvel em apenas 1 ano.

Da mesma forma, se o investidor almeja a aposentadoria ou a independência financeira e está em pleno gozo de sua juventude, não faz sentido fazer um investimento de curto prazo, com alta liquidez, quando o objetivo é claramente de longo prazo.

Por isso, o dinheiro poupado para objetivos de curto prazo deve ser aplicado em investimentos de alta liquidez, enquanto o poupado para metas de médio prazo em investimentos de liquidez moderada, e os de longo prazo em investimentos de baixa liquidez.

Custo das operações

O bom investidor sempre está atento aos custos de seus investimentos, procurando minimizá-los ao máximo. Impostos, taxas de administração, corretagem, custódia e performance, por exemplo, impactam diretamente na rentabilidade dos investimentos.

Assim, é importante estar atento às oportunidades de investimentos isentos de impostos ou com alíquotas pequenas, bem como procurar corretoras e fundos que cobrem taxas menores.

Mas essa análise deve ser feita por meio de cuidadosa comparação, pois às vezes um produto financeiro tem maior custo justamente por ser mais rentável. Se um fundo de investimento em ações, por exemplo, cobrou taxa de performance por ter superado a rentabilidade de 50% no ano, por certo terá sido válido pagar a taxa diante de tamanha rentabilidade.

Se você compreendeu o que deve levar em conta na hora de fazer um investimento, mas tem dúvidas sobre em que aplicar seu dinheiro ou deseja alguma outra informação, entre em contato conosco. Temos uma equipe de prontidão para atendê-lo e esclarecer suas dúvidas!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *