Trava bancária: entenda o que é e como isso prejudica sua empresa

Em tempos de crise, é natural que muitas empresas encontrem dificuldades em fechar suas contas. Além da elaboração de uma boa estratégia para o futuro, uma injeção imediata de capital pode, de fato, salvar a organização do colapso. No entanto, temos que ter muito cuidado na hora de contratar uma linha de crédito bancário, especialmente no que diz respeito à chamada “trava bancária”.

Com isso em mente, decidimos publicar este post esclarecendo o que é a trava bancária e como ela pode causar inúmeros prejuízos à sua empresa. Por fim, vamos apresentar uma alternativa bem menos arriscada para a contratação de empréstimos. Confira!

O conceito de trava bancária

A trava bancária, também conhecida como “alienação fiduciária de recebíveis”, nada mais é do que uma garantia exigida pelo banco para aprovar a concessão do crédito solicitado pela empresa.

Funciona assim: a organização cede ao banco uma série de títulos de crédito que tem a receber dos seus devedores. Na medida em que os títulos vão sendo pagos pelos devedores da empresa que solicitou o empréstimo, o banco vai utilizando esses valores para abater pedaços do montante total da dívida.

Vantagens e desvantagens da trava bancária

Inegavelmente, a trava bancária traz muitos benefícios para a instituição financeira, pois reduz sensivelmente o risco do financiamento ou empréstimo em questão. Já para a empresa contratante, talvez a única vantagem seja o aumento da probabilidade de aprovação do empréstimo solicitado.

A lista de desvantagens, por outro lado, é extensa. Isso acontece porque os valores referentes aos títulos cedidos à instituição financeira ficam indisponíveis para a empresa durante o tempo previsto no contrato.

Isso pode fazer com que a empresa fique engessada, sem capital de giro ou recursos para implementar seus processos e quitar suas dívidas, já que a gestão desses títulos passa a ser do banco.

Trava bancária e recuperação judicial

Em situações de insolvência mais grave, a empresa pode solicitar a recuperação judicial com o objetivo de evitar a falência.

O problema é que, de acordo com a atual redação da Lei nº 11.101, de 2005, as dívidas decorrentes de empréstimo com garantia de recebíveis não podem ser incluídas no plano de recuperação, devendo ser cobradas em processos autônomos.

Assim, dá-se mais força executiva ao banco e menos liquidez para a empresa, o que pode fazer toda a diferença em um momento delicado.

Alternativa para a trava bancária

Uma alternativa que vem ganhando muita popularidade são os empréstimos coletivos que, além de não decretarem trava bancária, também costumam ser bem mais baratos. Um dos motivos para tamanho sucesso é justamente o fato de que a trava bancária não é exigida.

O engenhoso serviço prestado pelas fintechs funciona por meio de uma plataforma que conecta investidores interessados em emprestar dinheiro para empresas que estão precisando de empréstimos.

Bancos e instituições financeiras tradicionais mantêm uma estrutura grande de agências e funcionários, fazendo com que esses custos tenham que ser embutidos no preço de seus produtos financeiros.

Enquanto isso, na modalidade de crédito oferecido pelas fintechs, todo o processo é feito online, e o serviço, é claro, tem seu valor diminuído, tornando-se favorável para que tenha as menores taxas de juros do mercado.

Agora que você já conhece os perigos da trava bancária, conheça mais as vantagens do empréstimo online para empresas!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *